Microcrédito: o que o empreendedor precisa saber antes de contratar


Microcrédito é um recurso bastante usado por micro e pequenos empreendedores. Os principais motivos sãoLeia Mais →

Compartilhar
Microcrédito: o que o empreendedor precisa saber antes de contratar

Microcrédito é um recurso bastante usado por micro e pequenos empreendedores. Os principais motivos são a taxa de juros reduzida e menor burocracia para a liberação do crédito.

Essa possibilidade já ajudou muitos pequenos empresários a fortalecer seu negócio e ampliar sua produção.

No entanto, de acordo com um levantamento feito pelo Sebrae entre julho e agosto de 2018, 61% dos 6 mil empreendedores entrevistados não solicitaram crédito em bancos nos últimos cinco anos.

E 81% deles afirmaram que evitam buscar financiamentos.

Isso porque os grandes bancos cobram juros altos, são burocráticos e colocam várias exigências para a concessão do dinheiro.

3 primeiros passos para contratar microcrédito

Bem, antes de solicitar microcrédito é identificar a necessidade. Avaliar se, de fato, o dinheiro é preciso e se será bem aplicado.

Muitas vezes, sem o planejamento adequado, o microcrédito não resolve o problema.

O segundo passo é pesquisar as instituições financeiras para encontrar a que oferece as melhores condições de acordo com a sua necessidade.

Perguntar sobre as datas, prazos, juros, valores e demais informações para que não haja surpresas após a obtenção do crédito.

E, por último, talvez o item mais importante. Planejar o pagamento do empréstimo. Já fez as contas?

Consegue cumprir com o compromisso que está assumindo? Está preparado para algum imprevisto no caminho que possa bagunçar a sua programação?

Pense e repense antes de contratar um microcrédito, para que as contas não saiam do seu controle.

Depois disso, verifique se há alguma pendência no seu CPF. Isso porque algumas instituições financeiras não liberam crédito para inadimplentes.

Como a maioria já sabe o microcrédito é um empréstimo de pequeno valor, a juros baixos voltado para pequenos negócios. É possível que empreendedores formais, informais, autônomos e negativados consigam liberação de crédito.

Quais são os valores disponibilizados no microcrédito?

Os empréstimos variam de R$ 100 a R$ 15.000. E podem ser usados para capital de giro, investimentos como obras civis, aquisição de máquinas ou equipamentos novos ou usados, e compra de insumos e materiais.

Se a solicitação for para investimento na infraestrutura, como ampliação do espaço ou compra de máquinas para aumentar a produção, o valor concedido pode ser maior do que o que é liberado para capital de giro, por exemplo.

Outro detalhe é que o valor pode variar de acordo com a relação que a empresa tem com o banco. Caso você já tenha solicitado e quitado um crédito em determinada instituição financeira, sua relação de confiança como banco está mais sólida.

Portanto, é possível obter condições diferenciadas, se comparadas àquelas oferecidas no primeiro financiamento, porque você já possui um vínculo com o banco. Dentro dos limites de cada instituição e programa que a regulamenta.

Quais as melhores instituições para solicitar microcrédito?

Isso depende. São várias instituições que fornecem esse tipo de serviço, então, depende saber qual a sua necessidade para escolher qual instituição é a melhor para você.

As taxas, pré-requisitos e número de parcelas podem variar de acordo com as características do seu negócio e do uso do dinheiro emprestado.

Aquelas instituições que são reguladas pelos programas de incentivo do Governo, como por exemplo o Crescer, podem oferecer melhores condições de crédito. Além de oferecer microcrédito orientado.

No Portal no Ministério do Trabalho você terá mais informações sobre as instituições que participam do programa Crescer.

Os bancos públicos normalmente oferecem taxas de juros menores e atendem a micro e pequenos empreendedores com faturamento de até R$ 200 mil por ano.

A quantidade de parcelas varia de 4 a 24 meses. Mas isso também depende se seu negócio é formalizado, da finalidade do investimento e do vínculo que você tem com a instituição financeira.

É preciso ter conta no banco e comprovar renda?

Também depende de cada instituição. Algumas pedem contano banco porque o débito automático é uma garantia. Outras trabalham com boletos.

Algumas instituições exigem comprovação de renda e outras não. Nos casos em que há necessidade de comprovação de renda e você não apossui, há grupos solidários que se reúnem para o aval solidário. O empréstimo fica em nome do grupo todo, então se um não pagar o restante do grupo é responsável.

A maioria das operações tem como garantia o aval solidário.

Quais documentos são necessários?

Isso também depende de cada instituição e das características do seu negócio, se você está formalizado ou não. Os documentos comumente solicitados são: CPF, RG, comprovante de residência, PPU, Alvará de funcionamento e CNPJ.

Apresente também uma proposta para o uso do dinheiro que irá solicitar. Seja para investir em capital de giro, comprar equipamentos ou melhorar a infraestrutura.

Quais são as taxas de juros do microcrédito?

A taxa de juros para empreendedores é de até 4% ao mês.Normalmente também é cobrada a TAC, taxa de abertura de crédito de 3% do valor total do empréstimo, distribuídas nas parcelas.

Porém, é importante que o empreendedor pergunte se há mais alguma taxa.

Recapitulando

Identifique a sua necessidade e faça as contas.

Dê preferência para microcrédito produtivo orientado para que você receba acompanhamento técnico no processo.

Pesquise o mercado, busque por uma instituição que oferece as melhores condições de acordo com as características do seu negócio.

Microcrédito: o que o empreendedor precisa saber antes de contratar

Saiba mais informações sobre o Programa de Microcrédito Produtivo Orientado.

Compartilhar

estude gratuitamente
com a kultivi

CADASTRE-SE