Quando começa a História Contemporânea?


Entende-se por História Contemporânea o que aconteceu depois da Revolução Industrial. Saiba o contexto, as consequências e a relação com o capitalismo.

Compartilhar
historia-contemporanea

O artigo abaixo foi produzido pela professora Sabrina do curso de História Contemporânea para o Enem.

Se ainda não conhece o curso, aproveite a oportunidade. É gratuito e aborda os temas mais importantes e recorrentes na prova.

Bons estudos!


Por Sabrina Demozzi

A Idade Contemporânea é um período na história que se inicia com a Revolução Francesa (1789).

Pode-se afirmar que muitas das influências sociais e econômicas que remontam a esse período, impactaram de forma decisiva a cultura no mundo ocidental.

Bem como, a constituição das instituições, da política e do direito e o desenvolvimento econômico. 

Neste post vamos comentar sobre um dos aspectos mais marcantes dessa época – e que perdura até os dias de hoje – que é a afirmação do capitalismo como sistema econômico vigente em praticamente todo o mundo.

Estudar História após a Revolução Francesa (História Contemporânea) nos dá suporte para responder questões de diferentes provas.

Isto porque os fatos históricos alteraram o comportamento humano com o meio ambiente, as relações sociais e de trabalho. Temas estes que podem ser abordados em Biologia, Geografia, Sociologia, Filosofia, Interpretação de textos e redação.

Quanta coisa não é mesmo?

Papel e caneta na mão?! Então vamos ao que interessa.

Como chegamos até aqui?

Antes da consolidação do Sistema Capitalista, isto é, baseado na acumulação de capitais e desenvolvimento por meio da exploração dos recursos naturais, o feudalismo (V-XV) era o modo de organização econômica, social e política na Europa da Idade Média.

Marcado sobretudo pela tradição da posse das terras e na divisão social baseada em estamentos. Isto é, aquela em que os indivíduos eram situados mais pela hierarquia social do que pelo poder econômico.

Então, imagine o seguinte: títulos eram distribuídos entre pais e filhos, grandes proprietários de terras e pessoas de reconhecido prestígio social (como o Clero). O que fazia com que quem estivesse no poder fizesse grande esforço para se manter no poder.

A mobilidade social era média até porque, mesmo dentro das três classes predominantes no sistema feudal – Nobreza, Clero e Servos (este último em menor grau) – havia diferenciações quanto às suas características e posições de acordo com as funções e papeis sociais que exerciam.

Os mais pobres, que estavam na base da pirâmide, eram os camponeses.  Logo acima deles, artesãos, profissionais liberais e lavradores com terras, que se situavam em um nível intermediário abaixo dos ricos comerciantes, banqueiros e donos de fazendas e títulos.

Saímos de um modelo, o feudalismo que era notadamente marcado pela autossuficiência, para outro em que é predominante a busca pelo progresso e intensificação das atividades industriais e comerciais, que vigora principalmente na segunda fase do Capitalismo Industrial entre os séculos XVIII e XIX.

Capitalismo e História Contemporânea

Lembrando que o Capitalismo é dividido em três fases:

  • Capitalismo Comercial ou Mercantil (pré-capitalismo) – do século XV ao XVIII
  • Capitalismo Industrial ou Industrialismo – séculos XVIII e XIX
  • Capitalismo Financeiro ou Monopolista – a partir do século XX.

Nos interessa particularmente mencionar a terceira fase do Capitalismo, que surge após a Segunda Guerra Mundial.

Pois, é a partir deste momento que assistimos a expansão da globalização e a criação de uma cultura econômica capitalista baseada nos negócios transnacionais, nas transações financeiras em escala global e o crescimento das grandes corporações.

Para alguns autores, como o sociólogo catalão Manuel Castells, já é possível pensar em uma nova fase do Capitalismo lido à luz da expansão das novas tecnologias.

O Capitalismo Informacional que agrega maior velocidade e fluxo de mercadorias, capitais, dados, informações e conhecimentos.

Sugestão de Leitura sobre História Contemporânea

Para saber mais sobre as características e consequências do Capitalismo baseado em informações que circulam em rede, leia a obra de Manuel Castells “A Sociedade em Rede”.

A sociedade em Rede de Manuel Castells

Como eu sei que você é um estudante dedicado e quer aprofundar seu conhecimento em História Contemporânea.

Nessa aula eu apresento o contexto e alguns pontos fundamentais que marcam a transição do período moderno para o contemporâneo.

Além, é claro, de analisar questões de provas anteriores.

Espero que tenha gostado e até a próxima.

Compartilhar

estude gratuitamente
com a kultivi

CADASTRE-SE